Intenzione di Preghiera
 
ÚLTIMAS NOTICIAS

ESTACIONAMENTO EM “VIALE SAN PAOLO”
Em Viale San Paolo foi instituída a Área de Estacionamento para os ônibus turísticos

COMUNIDADE DE SANTO EGÍDIO NA BASÍLICA DE SÃO PAULO
Terça-feira, 3 de abril, às 18h30, na Basílica de São Paulo Fora dos Muros, se celebrou a memória dos “novos mártires”.

 Roma, 06/03/2021




Basilica de São Paulo Oração Eventos Serviços Notícias Info Calendário

 O Edifício
 
http://www.basilicasanpaolo.org/rcm/foto/16_1.jpg
 
O imperador Constantino, que reinou de 306 a 332, pôs fim às perseguições contra os cristãos, proclamando particularmente o Edito de Milão, em 313, que confere liberdade de culto. Promoveu a construção de lugares de culto cristãos, especialmente o ligado à memória do Apóstolo.
Mandou erguer sobre o túmulo um lugar de culto [1], cuja exigüidade nos leva a pensar que antes existisse ali a estrutura de uma domus ecclesiae, uma igreja doméstica. A Basílica é consagrada em 18 de novembro de 324 pelo papa Silvestre I (314-335).
Pode-se notar no solo, depois das importantes reformas de 2006, a abside orientada para o leste, como era costume.
 
 
http://www.annopaolino.org/rcm/foto/16_5.jpg
A grandiosa Basílica dos três imperadores
Ela foi consagrada em 395 pelo papa Sirício (384-399).
Com a finalidade de ampliar a Basílica, que ficou pequena demais ante a afluência de peregrinos, tornou-se necessário mudar sua orientação, do leste para o oeste.
A estrutura da nova Basílica é bizantina, com 131,66 m de comprimento, 65 m de largura e 30 m de altura.
Com suas cinco naves (uma grande nave central de 29,7 m, acompanhada de quatro naves laterais) sustentadas por uma “floresta” de oitenta colunas monolíticas em granito, e seu pórtico de quatro faces (70 m de comprimento), ela era na época a maior basílica romana, até a reedificação de São Pedro.
Testemunhando o amor da Igreja por este lugar, os papas não cessaram de restaurá-la e aprimorá-la com o acréscimo de afrescos, mosaicos, pinturas ou capelas, ao longo dos séculos que se seguiram.
 
 
Do século IV ao século VIII
É o período das grandes invasões; os papas continuam a trabalhar: Leão Magno (440-461) manda recobrir os mosaicos do Arco do Triunfo[1], reconstruir o teto incendiado, para depois dar início à longa série dos papas da história, retratados em grandes medalhões em mosaico[2], os quais formarão um alto friso ao redor do transepto e da nave.
O papa Símaco (498-514) reforma a abside e constrói habitacula para os peregrinos mais pobres.
É a Gregório II (715-731) que se deve a presença estável dos monges beneditinos junto ao túmulo do Apóstolo.
E Leão III (795-816) deposita a primeira laje de mármore, depois do terremoto de 801.
 
Do século IX ao século XI
Papa João VIII (872-882) manda erguer uma cinta de fortificação ao redor da Basílica e de sua abadia, para protegê-las de eventuais ataques: esse conjunto é nomeado “Joanópolis”.
Papa Gregório Magno (1073-1085), abade do mosteiro antes de ser eleito Papa, manda suspender o piso do transepto, ligando-o à nave, faz erigir um campanário (destruído no século XIX), ao mesmo tempo em que a entrada principal da Basílica é dotada de uma esplêndida porta bizantina[1], composta de 54 painéis gravados em tauxia de prata.
 
http://www.basilicasanpaolo.org/rcm/foto/16_3.jpg
 
A idade de ouro
Inocêncio III (1198-1216) manda recompor o grande mosaico da abside (24 m de largura por 12 m de altura) exatamente como se apresenta em nossos dias, e o papa Honório III completa o time de mosaicistas com artistas venezianos que tinham trabalhado na Basílica de São Marcos, em Veneza.
São muitas as contribuições artísticas, como o baldaquino gótico de Arnolfo di Cambio, sobre o altar papal e o túmulo, a decoração da fachada de Pietro Cavallini, o claustro dos Vassalletto e, enfim, o candelabro monumental de Nicola D’Angelo e Pietro Vassalletto.
A Basílica passa a ser então não apenas um lugar importante de peregrinação, mas um tesouro das artes paleocristã, bizantina e gótica, universalmente reconhecido.
 
Os Jubileus
A partir do século XIV, a prática dos Jubileus atrai peregrinações ao túmulo do Apóstolo, e nessas ocasiões os papas realizam importantes reformas. Bonifácio IX (1389-1405) e depois Martinho V (1417-1431) convidam os fiéis a fazerem ofertas com essa finalidade, concedendo a eles as indulgências ligadas à oração e à penitência.
Gregório XIII manda acrescentar a balaustrada ao redor do túmulo, para o Jubileu de 1575.
Clemente VIII manda realçar o altar-mor para o Jubileu de 1600, enquanto, em 1625, Urbano VIII pede a Carlo Maderno a transformação da capela de São Lourenço.
Bento XIII, para o Jubileu de 1725, encomenda a construção de um novo pórtico a Antonio Canevari, que derruba o antigo vestíbulo e acrescenta a capela do Crucifixo (ou do Santo Sacramento), para nela inserir o crucifixo “milagroso” em madeira policroma atribuído a Tino di Camaino, de Sena (século XIV); nela também se vê um ícone em mosaico (século XIII) e uma comovente estátua-relíquia em madeira policroma de São Paulo, que traz vestígios do incêndio de 1823.
Altares e capelas que dão para o transepto tornam a Basílica testemunha da arte barroca.
 
http://www.basilicasanpaolo.org/rcm/foto/16_4.jpg
 
O incêndio de 1823
Numa só noite, a Basílica foi destruída pelas chamas.
Um amplo apelo é lançado pelo papa Leão XII a todos os fiéis[1]: a Basílica será reconstruída tal e qual era, reutilizando as partes poupadas pelo fogo, de modo que seja preservada a tradição cristã de suas origens.
Fazem-se reposicionamentos, restaurações, demolições, reconstruções[2]. Não apenas os católicos respondem em massa, mas chegam doações do mundo inteiro, como os blocos de malaquita e de lazurita doados pelo czar Nicolau I, que servirão para os dois suntuosos altares laterais do transepto, ou como as colunas e as janelas de finíssimo alabastro, presentes do rei Fouad I, do Egito, ou ainda as colunas de alabastro oferecidas pelo vice-rei do Egito, Mohamed Ali[3]. É o mais imponente canteiro de obras da Igreja de Roma do século XIX.
Em 10 de dezembro de 1854, o papa Pio IX (1846-1876) consagra a “nova” Basílica, na presença de grande número de cardeais e bispos, vindos a Roma do mundo inteiro para a proclamação do Dogma da Imaculada Conceição.
 

 
  BASILICA DE SÃO PAULO>História
O TÚMULO DE S. PAULO
O EDIFÍCIO
O EXTERIOR DA BASÍLICA
O CARDEAL ARCIPRESTE
A ABADIA BENEDITINA
AS EXPOSIÇÕES

Calendario de eventos
(referìr a Italiano):
  
 

<<  MARZO 21  >>
L   M   M   G   V   S   D





 
  E Catequeses do Santo


Intenção de Oração

Todos podem enviar as próprias orações por meio do formulário a seguir

Copyright © 2021 Basilica Papale San Paolo fuori le Mura - Privacy Policy - made in Bycam